GUIA COMPLETO SOBRE MINHOCAS - CRIAÇÃO E MINHOCÁRIO DOMÉSTICO


O QUE É UM MINHOCÁRIO?

O minhocário é um sistema simples e fácil de compostagem. Compostagem é um conjunto de técnicas aplicadas para controlar a decomposição de materiais orgânicos, para obter um material rico em húmus (adubo) e nutrientes mais eficazes do que aqueles encontrados nas matérias primas.

Um minhocário é uma fazendinha de minhocas que ajuda a reciclar os restos de comida que você produz e transforma o substrato em húmus, um composto que pode ser usado como biofertilizante em hortas e jardins. 

MINHOCÁRIO - DOMÉSTICO

Agora que você já conhece as vantagens de ter um minhocário, que tal fazer o seu próprio minhocário doméstico? Confira abaixo o passo a passo e veja como é simples fazer seu minhocário.

MINHOCÁRIO DOMÉSTICO - MATERIAIS

• 3 caixas modulares
• 1 torneira pequena
• 1 pedaço de papelão para servir como tampa
• Furadeira
• Terra
• Minhocas
• Resíduos orgânicos, folhas secas e papéis picados.

MINHOCÁRIO DOMÉSTICO - MONTAGEM

1. Faça alguns furos no fundo de duas das caixas modulares e na tampa de papelão para a passagem de ar
2. Na caixa que fica embaixo das outras, faça um furo maior na lateral para encaixar a torneira ( daquelas utilizadas em filtros de água)
3. Empilhe as caixas e coloque a terra com as minhocas na de cima, na altura de mais ou menos dois dedos. Faça o mesmo com a caixa do meio
4. Despeje o lixo orgânico, folhas secas e papéis picados na caixa de cima
5. Quando a caixa de cima ficar cheia, troque-a pela do meio. Os furos nas caixas vão permitir que as minhocas passem de uma para a outra. 
6. Quando a caixa de cima ficar cheia, a do meio terá adubo, que pode ser usado no jardim e em hortas.

A caixa de baixo acumulará um líquido chamado chorume, que deverá ser retirado pela torneira e usado para regar as plantas.


MINHOCÁRIO - MINI


OUTROS MATERIAIS

Decida o material que você quer usar para fazer as caixas do minhocário, busque saber o quanto irão durar, dependendo do clima do lugar. Quase tudo pode ser reciclado e usado para fazer o seu minhocário. Caixas de madeira ou vasos de argila, com buracos no fundo e nos lados, vão apodrecer,
 mas também funcionam para essa função. Vasos de argila absorvem bastante água, então lembre-se de colocar mais água se você for usá-los.

Louça de barro deve ser evitada, pois algumas podem conter chumbo. Caixas de plástico e baldes plástico de 20 litros ou de 10 litros é são uma boa opção. Lembre-se de fazer buracos no fundo para a água escoar, e alguns buracos nas laterais, para ventilar. De qualquer forma, certifique-se de que o material escolhido não tenha químicos, inseticidas ou tintas que possam contaminar seu minhocário. 

ALIMENTAÇÃO DAS MINHOCAS

Qualquer matéria orgânica pode ser usada como alimentação para as minhocas. Apenas tome cuidado com produtos ácidos ou que azedem facilmente e formem ácidos.Tome cuidado com alimentos mofados, a não ser pães e derivados, que podem ser usados sem problemas. Veja os principais alimentos que você pode colocar em seu minhocário para evitar cheiro ruim:

– frutas, legumes, verduras, grãos, sementes e cascas de ovos
– saquinhos de chá, erva de chimarrão, borra de café e de cevada (com filtro)
– sobras de alimentos cozidos ou estragados (pouca proporção)
– papel toalha, guardanapos de papel, papel de pão, papéis sem tintas e sem gorduras
- Não coloque sal, cascas de cítricos e gorduras

QUANDO MOLHAR O MINHOCÁRIO?

Esse é um passo muito importante para seu minhocário, se você molhar demais as minhocas podem morrer por falta de ar, e se molhar pouco elas vão sair do canteiro a procura de terreno mais úmido. Para saber quando molhar, faça um buraco no meio co canteiro, se as minhocas estiverem concentradas na superfície é por que tem muita água no fundo e você deve parar de molhar o minhocário até que essa égua escoe e as minhocas voltem para o fundo.

Caso você perceber que as minhocas estão concentradas no fundo do canteiro, é sinal que tem pouca umidade na superfície, então você deve molhar o minhocário. Não exagere na quantidade de água. Molhe o suficiente para umedecer a terra e não encharcar.

ONDE COMPRAR MINHOCAS

As minhocas podem ser adquiridas em comércios de pescas, Petshops, floriculturas e pela internet. Geralmente é comercializado um potinho com aproximadamente 30 minhocas. A minhocultura é a única atividade agro-zootécnica que dá ao produtor a colheita de dois produtos: a minhoca e o húmus. Se a criação for "amadora" pode-se direcionar a minhoca viva para iscas, alimentação de aves ou colocá-las nos jardins e o húmus usado nos jardins, hortas e vasos em geral

ONDE VENDER MINHOCAS

Se a criação for "profissional/comercial", o húmus deve ser vendido a granel à floricultores, horticultores, fruticultores, produtores de mudas e as minhocas podem ser direcionadas para piscicultores, ranicultores, avicultores, produtores de rações ou farinhas proteicas, indústria farmacêutica ou ainda para tratamento de restos orgânicos industriais, urbanos e agrícolas. Caso sua localidade tenha potencial para pesca ou clubes de pesque e pague essa é uma boa oportunidade de vendê-las. Clique nesse link e veja COMO MONTAR UM NEGÓCIO PARA CRIAÇÃO DE MINHOCAS

QUANTAS MINHOCAS COLOCAR EM UM MINHOCÁRIO?

O cálculo são 1.000 minhocas por metro quadrado

AS MINHOCAS IRÃO SE MULTIPLICAR?

As minhocas levam cerca de 2 meses para dobrar de quantidade.

TIPOS DE MINHOCAS

A vermelha da Califórnia, também conhecida como californiana ou minhoca do colarinho branco, é uma espécie originária do Norte da Europa. Apresenta um comprimento médio quando adulta de 13 cm, com um diâmetro máximo de 5 mm. Sua cor é vermelho amarronzada com listras amareladas entre os anéis.

A gigante Africana é originária do oeste e norte da África, apresentando a cor vermelha amarronzada e reflete as cores do arco-íris no dorso. É significativamente maior do que a vermelha da Califórnia, chegando a 20 cm de comprimento e 9 mm de diâmetro quando adulta.

PREDADORES

Tome cuidado com os predadores. Existem algumas pragas que você não vai querer ter em seu minhocário, e algumas são perigosas até mesmo para os humanos. Miriápodes e centopeias são perigosas para os humanos. Centopeias também são uma ameaça para suas minhocas, mas lembre-se, ambos são carnívoros, e vão matar cada minhoca que conseguirem, devorando-as em pouco tempo.

Lesmas e caramujos também podem tentar entrar em seu minhocário, mas um simples fio de cobre amarrado na borda de suas caixas pode afastá-los. Se você encontrar alguma em seu minhocário, retire-a imediatamente. Formigas, baratas, musgos e fungos também não são novidades. Use armadilhas de formigas para livrar-se delas. Use armadilhas para baratas e inseticidas, mas não deixe entrarem em contato com o minhocário.

QUANDO  O HÚMUS ESTÁ PRONTO?

Para saber se o húmus está pronto basta pegar um pouco do material com a mão e observar se existe matéria orgânica ainda não decomposta. Caso não tenha mais folhas ou pedaços de verduras inteiras é sinal que o húmus já está pronto. Atenção: use o húmus em até seis meses após a sua coleta. Acima deste período o húmus passa a perder seus nutrientes.

COMO SEPARAR O HÚMUS DAS MINHOCAS?

Este é m momento delicado, pois se a separação for feita de qualquer maneira, algumas minhocas irão morrer. Um método muito utilizado para fazer essa separação, é colocar sobre o canteiro caixas (daquelas de colocar feira, comuns em supermercados) com um pouco de matéria orgânica ou sacos de cebola (aqueles que vermelhinhos ou brancos, com orifícios grandes) também com um pouco de matéria orgânica em cima.

Como o canteiro já está sem alimento para as minhocas, elas irão subir para as caixas, depois é só tirar as caixas e colocar as minhocas em outro canteiro. As caixas devem ser deixadas sobre o canteiro durante um dia e uma noite.

PREPARAR O HÚMUS

Depois de tirar as minhocas, é hora de peneirar o material, para retirar pedaços de verduras ou nervuras de folhas que não foram comidos por suas minhocas. A peneira deve ser grossa, caso contrário, dará trabalho peneirar o húmus. Depois de peneirado, ele deve ser colocado em um terreiro aberto, para secar completamente. Depois de seco é só embalar para venda ou utilizar para adubar jardins, vasos de plantas, hortas, frutíferas, etc.

DICAS 

Escolha suas minhocas com cuidado quando for pescar. Mantenha as mais saudáveis para procriação.
NÃO USE CAL HIDRATADO, POIS ESSE É UM COMPOSTO ABSORVENTE, E VAI MATAR AS MINHOCAS APENAS COM O CONTATO! Use apenas pó de calcário, com no mínimo 95% de carbonato de cálcio na mistura.

Não coloque cimento no lugar de pó de calcário.Mantenha o PH em 7.0 para garantir as condições ideais de procriação. Mexa seu minhocário e cheque o pH a cada 3 semanas. Isso vai aumentar o oxigênio da terra, e enquanto estiver lá, cheque as condições de suas minhocas, e procure por pequenas minhoquinhas e ovinhos.

CURIOSIDADES

As minhocas não possuem olhos nem ouvidos e por isso seu sentido de direção não é muito bom. Sua movimentação é influenciada por células sensíveis à luz que existem em sua pele. Em geral, evitam a luz direta do sol, preferindo os ambientes sombreados e mais úmidos.

Contudo, as minhocas não toleram ambientes encharcados, pois sua respiração é feita pela pele. Em lugares onde há acúmulo excessivo de água, a tendência é de haver pouco oxigênio. Nestes casos, é comum vermos as minhocas saindo do solo para procurar locais mais secos.

Fotos dos membros do Trokinhas: Borboletas


Viviane Borges - São Paulo - SP


Ariane - São Paulo - SP


Ariane - São Paulo - SP


Alyne Scislovski - Paranaguá - PR


Cleonice Ferreira - Belo Horizonte - MG


Cleonice Ferreira - Belo Horizonte - MG


Cleonice Ferreira - Belo Horizonte - MG


Alice Doca - Agudos - SP


Lúcia Helena - Magé - RJ


Dhiordan Lovestain - Ouro Preto - MG


Dhiordan Lovestain - Ouro Preto - MG


Neia Pellegrini - Santo André - SP


Regina Borges - Petrópolis - RJ


Regina Borges - Petrópolis - RJ


Regina Borges - Petrópolis - RJ


Angela Martins - Raiz da Serra - RJ


Luciane do Edson - São José dos Campos - SP


Sunao Nishio - Caieiras - SP


Izabel Silveira - Campo Grande - RJ


Lourdes de Fatima de Abreu - Lagoa Santa - MG


Betania Monteiro


Ellen Cristina - Vespasiano - MG


Gustavo Augusto - Itaberaí - GO


Joselia Azevedo


Ellen Cristina - Vespasiano - MG


Elina Ogino - Bauru - SP


Sunao Nishio - Caieiras - SP


Eliana Silva - Araújos - MG


Dilma Pereira - Vitória da Conquista - BA

Ciclo de vida da Borboleta Monarca


O Ciclo de vida da Borboleta Monarca é dividido em quatro fases distintas:

1) ovo
2) lagarta
3) pupa / que se desenvolve dentro da crisálida
4) fase adulta

O Ciclo de vida da Monarca do ovo ao adulto é completado em cerca de 30 dias.

Ovo: 3 a 4 dias
As Monarcas normalmente põem um único ovo em uma planta.

Lagarta: 10 a 14 dias
Elas começam sua vida comendo a casca do ovo.

Pupa: 10 a 14 dias
Durante a fase de pupa a transformação de larva a adulto é completado.

Adulto:
A principal tarefa da fase adulta da Borboleta Monarca é se reproduzir, para acasalar e colocar os ovos, que se tornará a próxima geração.


Fonte: https://www.facebook.com/tudosobreborboletas/

A migração das Borboletas Monarcas


A migração das Borboletas Monarcas é um dos mais significativos eventos que acontece em nosso planeta, a migração da Borboleta Monarca começa no Canadá e parte do norte dos Estados Unidos.

O destino das Borboletas Monarcas está na região central do México, nas florestas de oyamel (Abies mexicana).


A migração da Borboleta Monarca, geralmente começa em torno de outubro, viajando cerca de 50 quilômetros por dia. O ciclo de migração da Monarca apresenta inúmeros obstáculos em que muitas perdem suas vidas. As Monarcas viajam mais de 4.000 Km para migrar e fugir do inverno.

Por que as Borboletas Monarcas migram ?

A primeira e mais simples explicação é que, como o que acontece com as aves migratórias, as Borboletas Monarca migram para climas mais quentes para escapar do tempo frio programado e da escassez de alimentos que resultam da queda de temperatura. No México as Borboletas Monarcas encontram árvores, água e temperaturas amenas.

A volta para casa.

Com o fim do inverno e o início da Primavera no Hemisfério Norte, as Borboletas Monarcas se tornam mais ativas e começa a temporada de acasalamento. Até o final de fevereiro, algumas Borboletas Monarcas começam a se mover para o norte. Isto inicia o início da migração da Primavera. A migração da Primavera começa com apenas cerca de metade da população original de Borboletas Monarcas. Quarenta a sessenta por cento das Monarcas morrem durante a sua estadia no México. Durante a migração de Primavera, as Borboletas Monarcas retornam às suas casas no Canadá e na maior parte do norte dos Estados Unidos. Ao longo do caminho, as Monarcas fêmeas põem seus ovos sobre ervas, arbustos e trepadeiras. Dando origem a novas Borboletas Monarcas que vão continuar o vôo de volta da Primavera.

Curiosidades sobre a migração.

As Monarcas que migram para o México fazem a hibernação nos Abetos Oyamel. Elas usam a mesmas árvores a cada ano quando migram, o que parece estranho, porque elas não são as mesmas Monarcas que estavam lá na migração anterior. Estas são a quarta geração de Borboletas Monarcas, assim como elas sabem que as árvores são as mais acertadas para hibernar?


Fonte: https://www.facebook.com/tudosobreborboletas/

Borboletas: Frugívoras e Nectarívoras


As borboletas podem ser divididas em dois grupos, segundo os hábitos alimentares dos adultos: frugívoras e nectarívoras.

Frugívoras

Quando adultas as borboletas do grupo das frugívoras se alimentam principalmente de frutas fermentadas, as frutas fermentadas atraem as borboletas através de seu 
forte odor exalado.

Exemplos de espécies frugívoras: Caligo beltrao, Caligo illioneus, Morpho helenor e Colobura dirce.
Nectarívoras

Nectarívoras

Quando adultas, as borboletas do grupo das nectarívoras se alimentam de néctar das flores. As flores atraem as borboletas através de suas cores, odores, pólen e néctar. 
Exemplos de espécies nectarívoras: Dryas iulia, Heliconius erato e Anteos menippe.

Porém as borboletas de ambos os grupos podem ainda se alimentar de sais minerais de poças de água, urina, esterco, pólen digerido e carcaças de animais em decomposição.